1. Notícias

    Nova legislação deverá reconhecer a importância dos pequenos produtores, defende APISOLAR
    Pvpt3001g
    30-01-2014

    A nova legislação que irá regular a geração e autoconsumo de electricidade a partir da tecnologia solar fotovoltaica deverá “reconhecer a importância dos pequenos produtores numa perspectiva de optimização dos recursos endógenos”, recomenda a APISOLAR. Em comunicado, a Associação Portuguesa da Indústria Solar refere ainda que o regulamento deve  “induzir comportamentos de maior eficiência energética e promover a segurança e a modernização do sistema energético nacional”.
    As empresas de fotovoltaico aguardam, impacientes, a publicação da legislação que vai regular o autoconsumo, encarado pelo sector como uma das possíveis saídas da situação difícil que enfrenta.
    Na sua tomada de posição, a APISOLAR apresenta várias recomendações para o diploma, que entende como uma “evolução natural dos actuais regimes da micro e minigeração”. Nesse sentido, aconselha a que se pondere “a revogação destes regimes num prazo a definir, mas curto, que permita durante essa fase de transição a necessária aquisição de novas competências pelos profissionais do sector”.  
    A APISOLAR reforça que, “do ponto vista da gestão da rede, um sistema de autoconsumo é equivalente a um comportamento mais eficiente por parte do consumidor” e a aplicação de uma taxa seria discriminatório relativamente a outros procedimentos mais eficientes, como, por exemplo, a aquisição de sistemas solares térmicos ou de lâmpadas de baixo consumo, já que “da sua aquisição resultará também a redução da compra de energia à rede”.
    “Esta percepção por parte do consumidor final poderá tornar-se um incentivo à aquisição informal de sistemas de autoconsumo, em particular nos sistemas de dimensão residencial, que naturalmente deverá ser combatida e considerada na elaboração deste diploma”, defende.
    Os recentes cortes no valor das tarifas remuneratórias para a micro e mini geração, anunciados em finais de Dezembro, vieram acentuar os receios de que o fotovoltaico seja um investimento cada vez menos atractivo para o cliente final e são vistos pelo sector como um recuo. No entanto, o ministro da Energia, Jorge Moreira da Silva, rejeitou essa acusação ontem em audição na Assembleia da República – “é falso que há retrocesso na remuneração das tarifas à geração solar”, exclamou.
    As últimas informações da Direcção Geral de Energia e Geologia (DGEG) sobre o assunto dizem que o diploma está na sua fase final e que começará a fase de circulação dentro de poucos meses. Incluída está a criação de três novos enquadramentos legais: autoconsumo sem ligação de potência à rede, com ligação de potência à rede e em sistemas isolados da RESP (redes do Sistema Eléctrico de Serviço Público).

    http://www.edificioseenergia.pt/pt/noticia/novalegislacaoapisolar560autoconsumo

  1. Destaques

    1. 10-06-2016
      Aviso
    2. 04-09-2014
      Pv_1
      http://www.portugal.gov.pt/pt/os-ministerios/ministro-da-presidencia-e-dos-assuntos-parlamentares/documentos-oficiais/20140904-cm-comunicado.aspx

      “Este é o momento de perspectivarmos o futuro em conjunto – o...

Powered by: TextoVirtual.com